Skip to content
Logo Skeepers
Open mobile menu button
Irão os influencers virtuais substituir os influencers tradicionais?
Aumente a sua visibilidade Influencer Marketing

Irão os influencers virtuais substituir os influencers tradicionais?

Juanita Solano 18 May 2022

Se está familiarizado com as redes sociais, notou certamente o desenvolvimento de novos perfis de influencers nos últimos anos: os influencers virtuais.

Estarão a modificar os códigos de influência, tomando gradualmente o lugar dos chamados influencers “tradicionais”?  

Quem são os influencers virtuais?

Embora realistas, são personagens fictícias que só existem em plataformas dedicadas, tais como o Instagram. Estes personagens, criados de raiz, têm uma história e partilham os seus gostos, paixões e visão com a sua comunidade através da narração transmédia (esta técnica consiste em contar uma história ou uma experiência através de diferentes plataformas e formatos utilizando as tecnologias digitais atuais).

Permitem às empresas mostrar os seus produtos e tecnologias em diferentes redes sociais, mas também entregar mensagens direcionadas aos seus consumidores.

Antes de sabermos mais sobre o seu uso e como funcionam, apresentaremos alguns dos mais conhecidos:

  • Lil Miqueda:

Apareceu no Instagram em 2016 e tem agora mais de 3 milhões de seguidores. Muito empenhada (tal como a sua comunidade), é ativista por muitas causas, nomeadamente o movimento #blacklivesmatter, visível na sua conta Instagram. Duas outras personalidades virtuais criadas por Brud, a mesma empresa que Lil Mequala, aparecem frequentemente no seu perfil: Blawko (com mais de 147.000 seguidores no Instagram) e Bermudaisbae, um “robô” influenciador do estilo de vida com quase 280.000 seguidores. Estes 3 influencers virtuais formam um trio de amigos que vivem em Los Angeles e partilham as suas aventuras com as suas comunidades.

  • FNMeka:

Apareceu em 2019 na plataforma TikTok, publica numerosos vídeos de comédia sobre as tendências atuais do TikTok e vestindo as marcas high-end ou streetwear que são populares. Também vende NFT. O primeiro rapper-influencer virtual, tem também três faixas que podem ser encontradas no Spotify! De acordo com Trevor McFedries, o criador de Lil Miquela, as redes sociais substituíram a série, alcançando um público cada vez mais jovem. Através de Lil Miquena e das suas parcelas diárias, é possível contar histórias e abordar questões para jovens que não encontrariam nos meios de comunicação tradicionais. Para o criador da FNMeka, as intenções são bastante diferentes. A intenção original era fazer dele uma personagem que só usava o que estava na moda noTikTok, exibindo os produtos dos seus patrocinadores. Mas desde que assinou com a editora Factory New, poderia tornar-se um dos primeiros artistas feitos de raiz, flexíveis e nunca envelhecendo.

Quais são as diferenças entre influencers virtuais e micro-influencers?

  • Como são avatares, permitem um controlo total sobre a imagem e a mensagem que a marca quer transmitir através da sua campanha e assim evitar os escândalos (bad buzz) que podem seguir-se a uma colaboração com um influenciaer “tradicional”.
  • As suas vantagens residem também na possibilidade de propor um universo sem limites, sem parecer necessariamente real (mesmo que o universo escolhido esteja de acordo com os valores partilhados pela personagem).
  • A colaboração com um influencer virtual ainda não está à margem, e permite à marca que a utiliza demonstrar que está a viver com os tempos, e ao mesmo tempo reduzir os custos ligados a esta parceria (sem custos ligados à viagem e ao alojamento do influencer, por exemplo).

A utilização de influencers virtuais também tem os seus inconvenientes:

  • São limitados na autenticidade e veracidade das suas palavras.
  • No entanto, é preferível utilizar um influencer tradicional quando se pretende lidar com um assunto que requer identificação e compaixão.

Quando utilizar um micro-influencer?

  • Ao contrário dos influencers virtuais, os micro-influencers são muito mais acessíveis, tanto às marcas como às suas comunidades.
  • Reconhecidos pela sua autenticidade, partilham valores e semelhanças com a sua comunidade, criando um laço único com os seus seguidores.
  • Têm a oportunidade de dizer o que pensam sobre um produto ou serviço com ou sem uma parceria de marca. Se um micro-influencer utiliza um produto, significa que  adere aos seus princípios, o que dá aos seus seguidores mais confiança na compra do produto.
  • Para a marca, para além de uma comunidade ativa e empenhada, fornecem conhecimentos pessoais e feedback sobre como melhorar o produto/serviço oferecido pela marca.

O futuro da influência: rumo a um setor totalmente digitalizado?

Com o desenvolvimento das novas economias virtuais e das NFT, a digitalização do nosso mundo está a acelerar em direção a um mundo virtual paralelo.

Já é possível aceder a galerias de arte virtuais onde as NFT são exibidas com a possibilidade de as comprar ou de comprar roupa para vestir ao avatar. Quem melhor do que os influencers virtuais para prosperar neste mercado? A maioria deles já está a promover as NFT e até a sugerir a sua compra. A nível social, o desenvolvimento de influencers virtuais também pode ajudar a lançar luz sobre um país e a sua cultura. No início de 2021, surgiu o iYanda. Este avatar destina-se a ser o duplo virtual do modelo sul-africano e apresentadora de televisão Ayanda Thabethe. Interessada em moda, beleza e entretenimento, ela é a sua extensão digitalizada, permitindo-lhe explorar as várias possibilidades do mundo virtual. O primeiro avatar 100% “feito em África”, é também uma oportunidade para o modelo exportar a sua cultura e alcançar um número máximo de utilizadores da Internet, a fim de entrar em contacto com a sua comunidade.

Contudo, apesar do apelo do mundo virtual, os influencers tradicionais ainda são muito atrativos. A autenticidade, perícia e confiança entre o influenciador e a sua comunidade continua a ser essencial. De facto, os influencers permitem que as marcas imaginem novos conceitos, que façam inquéritos aos assinantes para melhorar produtos e/ou serviços, mas também que criem produtos totalmente personalizados e pensados para os assinantes. São peritos no seu setor e conhecem perfeitamente os seus seguidores.

Muitos setores ainda não são totalmente acessíveis aos influencers virtuais, uma vez que lhes falta a autenticidade necessária. Podemos, por exemplo, pensar nos setores alimentar e cosmético oferecendo vídeos tutoriais, testes de colisão; campanhas de sensibilização apelando à experiência dos influencers envolvidos; ou influência B2B onde os subscritores atribuem muita importância ao sentimento e à perícia dada pelo influenciador.

O mundo virtual, o novo Eldorado para marcas, parece interessar cada vez mais pessoas desde muito novas devido às muitas oportunidades que oferece. Apesar desta atração, assusta e deixa a grande maioria das pessoas perplexas.

Será esta loucura suficiente para abalar os atuais modos de influência?

Descubra nossas soluções : Agende uma demonstração